AB Valley Wines

A AB Valley Wines dedica-se à produção de vinhos verdes e surge em 2016 fruto de uma parceria entre António Sousa, enólogo da região, e Bernardo Lencastre, vigneron na região e um perfeito winelover. O prazer de fazer vinho e transpor os limites de um certo status quo vínico que impera um pouco por toda a região, levou estes dois amigos de longa data a produzir vinhos que expressem o potencial das castas autóctones e do terroir da Sub-região de Amarante nos Vinhos Verdes. Alvarinho, Avesso, Arinto, Loureiro ou Vinhão são algumas das castas trabalhadas pela AB Valley Wines.

Alchemy Wines

George Blackett, originário da cidade de Leeds, estabeleceu-se na cidade do Porto no século XIX como comerciante de Vinhos do Porto. O seu posicionamento dentro do sector permitiu-lhe uma progressão assinalável figurando no Top Five dos maiores comerciantes desse século. Nos primórdios do seculo XX, os seus filhos alargaram a actividade da Blackett ao transporte marítimo até ser integrada numa grande companhia após o término da segunda guerra mundial mais precisamente em 1949. O relançamento deste nome pela Alchemy Wines tem como propósito marcar o poder do tempo e dum vinho que sobrevive e cresce ao longo de sucessivas gerações.

Bodegas Valdubón

A adega Valdubón foi fundada em 1997 e teve a sua primeira colheita na vindima desse mesmo ano. A propriedade encontra-se situada nos arredores de Milagros, povoação próxima de Aranda de Duero (Burgos) e integrada na denominação de origem Ribera del Duero. Esta região é das mais prestigiadas regiões de Espanha, e os seus vinhos são muito encorpados e poderosos. Estes vinhos passam por estágios em barricas, o que faz com que os vinhos sejam equilibrados e elegantes. A sua cor cereja é característica, sendo vinhos com muito boa acidez. Os Taninos e a sua estrutura, faz com que possam envelhecer em garrafas durante muitos anos. Hoje em dia possui 40 hectares de vinhedos onde cresce a variedade Tinta del País.

Casa Santos Lima

A Casa Santos Lima foi constituída para dar seguimento à atividade desenvolvida pela família Santos Lima há várias gerações, dedicando-se à produção, engarrafamento e comercialização de vinhos portugueses. A partir de 390 hectares de vinha, a empresa produz vinhos conhecidos pela sua excelente relação qualidade/preço oriundos das regiões de Lisboa, Algarve, Alentejo, Douro e Vinhos Verdes. A Casa Santos Lima exporta cerca de 90% da sua produção total para perto de 50 países nos 5 continentes.

Freixenet

A Freixenet foi fundada da união de duas famílias espanholas com uma longa tradição em viticultura: a família Ferrer e a família Sala. O nascimento da marca remonta aos princípios do século XX, quando Pedro Ferrer Bosch e a sua esposa, Dolores Sala Vivé, decidem dedicar-se exclusivamente à elaboração de vinho espumante segundo o método tradicional. O Grupo Freixenet é uma empresa 100% familiar contando com 21 adegas em 7 países e espalhadas por 3 continentes. Actualmente, a Freixenet é uma das maiores e mais conhecidas produtoras de Cava, produzindo grandes quantidades e com enorme qualidade. É líder mundial na elaboração de vinhos espumantes segundo o método tradicional.

Gloria Ferrer

José Ferrer, presidente honorário do Grupo Freixenet, quis ver cumprido o sonho que o seu pai não chegou a concretizar: construir umas caves no Novo Mundo. Após muitas viagens e um longo tempo de estudo e experiências, em 1982 elegeu finalmente a região de Carneros no Vale de Sonoma. Plantaram-se vinhas com as castas típicas da região de Champagne – Chardonnay e Pinot Noir – e construíram-se as instalações adequadas para a vinificação e estágio tanto de vinos tranquilos como de vinos espumantes. Como uma produção inicial de 6.000 caixas, hoje em dia produzem-se mais de 100.000. Ainda assim, hoje em dia, a procura excede a capacidade de produção. Nos últimos anos esta empresa foi, entre as empresas da região, a que mais prémios obteve.

Henri Abelé

Esta empresa, fundada em 1757, é a terceira em antiguidade na história de Champagne, o que traz ao Grupo Freixenet, uma experiência que o reforça ante os seus concorrentes. Um exemplo de alcance desta experiência é o facto de que foi a primeira adega a utilizar pupitres para a remuage de garrafas. A Casa Henri Abelé tem um cuidado especial na escolha das uvas, no processo de fermentação e maturação dos vinhos. Para a sua gama principal, deixa os seus champagnes fazerem a maturação no mínimo 3 anos, ao contrario da maioria dos Champagnes que requerem apenas 15 meses.

Lavradores de Feitoria

Lavradores de Feitoria é um projecto único, criado em Setembro de 2000 e que resultou da união de 15 produtores, proprietários de 18 quintas distribuídas pelos melhores terroirs do Douro, repartidas pelas três sub-regiões (Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior). Actualmente compõe a estrutura da empresa 48 accionistas, dos quais 15 são produtores, e 19 quintas, uma delas já adquirida com o capital da empresa. Pela primeira vez no Douro, um grupo de convictos durienses associou saberes e experiências, inovação e tradição. Partilha e associativismo, concertados de uma forma moderna, razoável e inteligente, são os valores subjacentes à Lavradores de Feitoria.

Mia

Mia é um projecto inovador realizado em parceria da enóloga Gloria Collell com o Grupo Freixenet, reconhecido mundialmente pela produção de espumantes do tipo Cava. A linha Mia tem o objectivo de oferecer vinhos e espumantes mais leves e descontraídos, com diferentes castas de uva. O nome surgiu no seguimento de conversas com produtores, designers e distribuidores, que gostaram bastante da ideia e queriam fazer parte deste projecto, começando a chamá-lo por “meu”. Por esta razão ficou “Mia” que é a palavra espanhola de “meu”.

Monte da Capela

Com 50 hectares de vinha, o Monte da Capela está localizado em Pias, concelho de Serpa. Reza a lenda que Santa Luzia apareceu a uns pastorinhos na região de Pias e mandou erguer uma ermida para a sua invocação. O nome Monte da Capela surge desta ermida construída no séc. XVI nos seus terrenos. A tradição da história repete-se no vinho, sendo que o Monte da Capela foi o resultado do engenho, sabedoria e experiência acumulada dos seus sócios.

Monteberín

Os vinhos Lambrusco são elaborados com uvas provenientes de cepas da região de Modena. Destas obtém-se um vinho generoso e franco como a gente que o produz. Nesta província encontramos três tipos de vinhos com muitas semelhanças mas também algumas diferenças, Lambrusco de Sorbara, Lambrusco Grasparossa de Castelvetro e o Lambrusco Salamino de Santa Croce. São vinhos modernos, com uma espuma vivaz e evanescente, resultado da segunda fermentação que ocorre na primavera, perfume intenso, boa acidez e fáceis de beber. Em 1970, as três variedades de Lambrusco obtiveram a Denominação de Origem Controlada que em muito veio contribuir para a consolidação da qualidade destes vinhos. Paralelamente produzem-se também nesta região, vinhos Lambrusco IGT (Indicazione Geografica Tipica) que não são mais que excedentes de produção das três DOC de Modena e que garantem um produto de alta qualidade.

Pontual Wines

A PLC – Companhia de Vinhos do Alandroal, Lda, foi constituída em 2000 por Paolo Fiuza Nigra, Luís Bulhão Martins e Carlos Portas. As iniciais de cada um deles deram então nome ao projecto, PLC. Localizada entre o Alandroal e Portalegre, reúne 100 hectares de vinha, plantados em solos xistosos onde as castas indígenas e outras potenciam a produção de vinhos de elevada qualidade. As castas plantadas foram cuidadosamente escolhidas, com o objectivo de potenciar a qualidade das uvas e vinhos. A PLC engarrafou o primeiro vinho em 2001, o Pontual Touriga Nacional/Trincadeira Preta. Nos anos seguintes, a PLC lançou o Pontual Syrah, Pontual Reserva, Pontual Branco, Pontual Colheita e a nova gama Desigual Branco e Tinto.

Quinta da Ponte Pedrinha

A Quinta da Ponte Pedrinha situa-se na Região do Dão, entre Seia e Gouveia, e está na posse da família Osório desde o Séc. XVIII. A sua vinha, implantada em solos graníticos desde há mais de 30 anos, tem raízes profundas nesta Quinta, raízes que se agarram à terra e à vida das pessoas que nela habitaram, gerando TRADIÇÃO! Os hectares de vinha que oferecem vida aos seus vinhos dão contornos de rara beleza à paisagem circundante. A tecnologia associada à vinificação levou à construção de uma adega à altura dos pergaminhos dos vinhos que sempre aí se produziram.

Quinta de Stº António

Situada em plena região nobre da região demarcada do Dão, a Quinta de Stº António rege-se pela paixão, integridade e exigência, assumindo a responsabilidade de levar a Portugal e ao mercado global o carácter único das castas tradicionais do Dão. Com cerca de 30 hectares, a Quinta de Stº António teve o início da sua construção no século XVI e prolongou-se ao longo de vários séculos. Os nossos vinhos são comercializado sob a marca Terras de Stº António a partir das principais castas do Dão: Touriga Nacional, Tinta Roriz, Jaén, Alfrocheiro e Rufete.

Quinta do Caldeirão

A Quinta do Caldeirão fica situada no vale do rio Torto, afluente da margem esquerda do rio Douro, zona de nobres "terroirs". Esta Quinta é pertença desde 1998 da Sociedade Agrícola Quinta do Caldeirão, formada por três sócios co-proprietários da Quinta de Meruge. Os vinhos que comercializam são Quinta do Caldeirão e Duas Minas, provenientes destas duas Quintas. Na Quinta do Caldeirão as vinhas foram plantadas nos anos 90 e princípios de 2000.

Quinta do Vale Meão

Em 1877, D. Antónia Adelaide Ferreira, já proprietária do maior património agrícola do Douro, comprou em hasta pública 300 hectares de terra virgem à câmara de VN de Foz Côa. O seu sonho era de construir a partir do nada uma exploração modelo, concretizando nela toda a vasta experiência acumulada ao longo da sua vida de empresária duriense. Este projecto ambicioso foi totalmente levado a cabo entre 1887 e 1895. Foi a última e mais significativa realização daquela Senhora, que no entanto pouco dela gozou, pois morreu em 1896. Desde então a quinta manteve-se sempre na posse dos seus descendentes. A partir dos anos 70 o seu trineto Francisco Javier de Olazabal assumiu a sua gestão e iniciou um longo processo de aquisição de partes indivisas dos seus familiares e comproprietários, e em 1994 tornou-se juntamente com seus filhos, único proprietário da Quinta.

René Barbier

Em 1880, chegou à região do Penedès (Catalunha), um viticultor francês que deixava para trás a praga de filoxera que tinha devastado os seus vinhedos em Avignon. Era Léon Barbier. Trabalhando com as variedades autóctonas da região, não tardou em converter-se num dos produtores mais importantes dela, sendo um dos primeiros a aventurar-se na venda de vinho engarrafado. Esta iniciativa permitiu-lhe conseguir um grande conhecimento dos seus produtos quando ele e o seu filho René começaram a personalizar as garrafas com a marca própria, qual continua a ser uma das mais reconhecidas do Penedès. A adega fica localizada na Vila de Sant Cugat Sesgarrigues (Barcelona). A propriedade tem 120 hectares de terra e vinha.

Segura Viudas

Há quase mil anos, edificou-se a propriedade onde ainda hoje se elaboram os espumantes e vinhos Segura Viudas, dedicando-se desde o início da sua actividade rural ao cultivo da vinha. Segura Viudas tornou-se uma marca em 1959, mas só em 1969 é que começou a vender os produtos. A sua qualidade fez-se notar logo desde o primeiro momento. Entre as empresas elaboradoras de vinho espumante de todo o mundo, é uma das que mais prémios obteve pela qualidade dos seus produtos, desde a sua aparicão comercial nos anos 50.

Solar Viejo

A adega de Solar Viejo está localizada, desde 1969, na vila de Laguardia, a caminho da povoação de Hoja onde existem vestígios pré-históricos do ano 1500 a.c. Na região da Rioja Alavesa o clima é predominantemente continental, com influências mediterrânicas do rio Ebro. A serra Cantabria protege estas “Tierras Rojas” dos frios e húmidos ventos norte, de tal forma que usufruem de um micro-clima óptimo para o cultivo da vinha. Esta adega tem um óptimo relacionamento e colaboração com os agricultores da região, o que faz com que assegurem as uvas da melhor qualidade da região.

UCSA Dubois

A carteira de produtos do Grupo Freixenet não estaría completa sem a presença dos produzidos segundo o método charmat. Os seus espumosos caracterizam-se pela leveza e frescura, sendo ideais para fazer Cocktails.

Vale da Corça

A Quinta de Brunheda, na qual nascem os vinhos Vale da Corça, é composta por 360 hectares de terra, situados num anfiteatro de rara beleza natural, que se estendem ao longo das duas margens do Rio Tua, afluente do Rio Douro, sendo reconhecida como uma das mais emblemáticas da região e estando na posse da família Mesquita desde 1720. Durante décadas, esta companhia familiar e independente produziu vinhos generosos de grande qualidade cujo destino foram sempre alguns dos melhores exportadores de Vinho do Porto situados em Vila Nova de Gaia.

Viento Sur

O Grupo Freixenet é composto por várias adegas à volta do mundo, todos em regiões vinícolas de renome. Estimulados por uma empresa de confiança na Argentina, decidiram lançar o Projeto “Cone Sul”. A “Finca Ferrer”, com 317 hectares, está localizada em Gualtallary, na cidade de Tupungato, no Alto Valle de Uco, no sopé da Cordilheira dos Andes, a oeste da província de Mendoza, Argentina, a uma altura 1.310 metros acima do nível do mar e 33° de latitude sul. O cenário é excelente, com um céu límpido, ar fresco e térreo, tudo características excelentes para o cultivo de uvas e obtenção de vinhos de qualidade, caracterizados por sua complexidade de aromas e sabores, cor profunda e taninos ricos.

Viniverde

Viniverde - Promoção e Comércio de Vinhos Verdes, S.A. é uma holding cujos acionistas são várias empresas da Região dos Vinhos Verdes, entre as quais se destaca a Adega Cooperativa de Ponte da Barca pela sua dimensão, pelo seu já longo historial de quase 50 anos e notoriedade, local onde se situa não só a sede administrativa da Viniverde como a de produção. A Viniverde foi constituída com o objetivo de produzir, promover e comercializar os vinhos e seus derivados mais conhecidos das suas acionistas e também os das suas próprias marcas.

Vionta

O que no início do século XX foi concebido como a primeira “Quinta Modelo”, de carácter agro-pecuário, idealizada por um “indiano” retornado da Argentina, é hoje a maior plantação privada de Albarino. O conjunto, sobre uma extensão de 33 hectares, é formado pelo Pazo de Baión, edifício de estilo inglés com conotações de Chateau francês, a adega de três pisos e um conjunto rectangular, que acolhe o “horreo”, as cavalariças, picadeiro e a casa do Caseiro, todo ele formando um enclave “monacal”, que completa as instalações existentes, situado no vale de Salnés.

Viticultors del Priorat

Viticultors del Priorat, empresa produtora do Morlanda, está localizada em Bellmunt del Priorat (Tarragona). A propriedade está situada entre colinas, a mais alta das quais, Morlanda, dá nome aos seus vinhos. Fundada em 1997, possui 72 hectares dos quais 22 são de vinhedos, alguns situados em socalcos e outros em terreno plano, em altitudes que vão dos 190 aos 220 em metros acima do nível do mar. Os vinhos são feitos de vinhas velhas de 25 a 40 anos, apesar de uma parte ser feita de vinhas plantadas mais recentemente.

Yvon Mau

Companhia fundada em 1897 e dirigida pela familia Mau desde o seu início e durante quatro gerações. O símbolo da empresa, o homem na bicicleta, faz referencia a Yvon Mau, filho do fundador, quando saía a explorar a região passeando numa bicicleta deste estilo particular. Situada em Gironde-Sur-Dropt, no sudoeste de Bordeús, a empresa adoptou um interesse e cuidado especial na qualidade das suas instalações, recursos e productos, obtendo assim numerosas certificações de reconhecimento internacional. O sentido de inovação, um compromisso inquestionável com a qualidade e a própria natureza da região asseguram sem dúvida uns resultados extraordinários.